domingo, 20 de setembro de 2009

Partes esquecidas da cidade, partes esquecidas de mim


Caminhava outro dia pelo centro da cidade. Gosto de andar de ônibus às vezes, creio que é uma boa maneira de ver as coisas de uma outra forma e não passar pelas pessoas, se encontrar com elas! Fui fazer uma prova em Nazaré e caminhando por ali, decidi pegar um ônibus, descer no Campo Grande e ir andando para casa. Nossa, como fazia tempo que não passava por ali, era quase como se aquela parte da cidade não mais existisse no meu mapa da cidade, era como se ela estivesse morta. Foi neste instante que uma idéia me assaltou, era assim também com meu corpo, havia partes em mim, que de tanto não ir, acabei por esquecer. Sei que ela existe, mas já não passeio por ali... Re-visitar o conhecido é quase ver o velho com outros olhos, com novos olhos. E, foi pensando nisto que me senti invadida por uma alegria, que só quem viveu o re-encontro de um velho conhecido que lhe trás boas memórias, pode sentir. E hoje, apesar de sentir uma vontade grande, deixarei o texto assim mesmo, sem estar realmente terminado, porque creio que as explorações de nós mesmos, das cidades, dos tesouros, dos fósseis, sejam mesmo assim, sem fim.

Um comentário:

Cris disse...

Lindo o texto e muito sábio tbm. Interessante pq estou numa fase braba de revisitacoes... vou te escrever um e mail contando...
beijos